domingo, 22 de março de 2015

Tudo em harmonia.

Os primeiros três meses de 2015 decorreram de forma normal,sem grandes alaridos ou novidades nos portuários de Leixões.
 Continua a registar-se um volume de trabalho que augura um ano laboral que será por todos reconhecido e demonstrados RECORDES de execução pronta e rápida nas diversas cargas,especialmente os contentores.
 Nós,os trabalhadores,lá continuamos a envelhecer trabalhando esta arte,ainda que a par de companheiros mais novos mas perfeitamente integrados e preparados para assegurar e bem,a continuidade.
 Este vai ser um ano de eleições legislativas e o povo está em alvoroço.Nós também.
 Não podemos acalentar nada de nada em relação ao futuro porque me parece que as coisas como estão,são de interesse de MUITA e de ALGUMA GENTE.A ver vamos.
 Relativamente a outros Portos nacionais confesso que nada sei,que tenho andado a Leste,mas parece-me,pelo sossego que "alguém já meteu a viola no saco",digo eu.
 De salientar,relativamente aos trabalhadores de Leixões,a conquista de um Seguro de Saúde para todos e que já está ativado e a funcionar.Considero este Seguro uma grande conquista depois de tanto se dar lá se recebeu uma contrapartida bonita,boa e importante.

                                                                       Cá vamos andando.

                                                                         Saudações Portuárias.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Pós Tróika nos Portos portugueses.

Já se foram embora, os rapazes da troika,o triunvirato de sanguessugas já "zarpou" por aí fora.
Na verdade todos sabemos que apesar da debanda eles continuam por cá com os seus fieis discípulos a fazer o que eles mandam,que é o mesmo que dizer,desgraçar os portugueses sugando-nos até à medula.
Devo dizer no entanto,e escrevi aqui um post antes da chegada dos tróikos,que em Leixões se trabalhou por antecipação com a feitura de um Contrato de Trabalho aceite pelas partes e pelo Governo.
Visto á distância podemos concluír que se fez o que se podia e devia atendendo às circunstancias de crise e se olharmos à nossa volta vemos uma panóplia de empresas que terminaram que não se aguentaram devido aos sacrifícios,muitos deles em vão.
Portos houve que viveram períodos difíceis de duras negociações,de lutas terríveis que terminaram com o elo mais fraco a saír prejudicado.
Uns regeneraram os Sindicatos,fundaram sindicatos e trabalham em pleno.Outros foram forçados pela razão a fazer acordos para manter postos de trabalho,admitir despedidos,e tudo em ordem.
 Em Leixões,como venho dizendo,continuamos com juízo a trabalhar na luta diária e à espera que haja um milagre,não que transforme água em vinho,mas que os históricos homens das adapatações/transformações,que somos nós,possamos saír pelo nosso pé do setor de cabeça levantada,respeitados.
 Se assim não for se alguém se lembrar de nos hostilizar,lembro todo um passado de concertação que irá por água abaixo,e depois de velhos não temos nada a perder.Confesso que tenho medo dos governos,desta canalha que corta a direito,muitas vezes sem conhecimento prévio do setor portuário.
 Muitos iriam questionar o facto de no porto de Leixões,um local de consenso,os seus trabalhadores serem hostilizados/desrespeitados.Pode ser que não,vamos a ver!


                                                              saudações portuárias e um abraço

                                                                             Augusto

sábado, 7 de dezembro de 2013

Mais um ano que termina.

Estamos no fim de 2013 e o nosso Porto de Leixões continuou a bater recordes de carga movimentada,continuando por isso a ser o Porto de referência no nosso País.
 Continuo sem perceber muito bem o que se passa no Porto de Lisboa,sinceramente,se bem que não é obrigatório que eu o entenda porque de forma alguma poderei ou deverei contribuír para algo que possa eventualmente ajudar a resolver os problemas a Sul.
 Do pouco que sei é que depois da desagregação em termos de atitudes e posições em Aveiro,depois de despedimentos vergonhosos em que os tribunais já fizeram justiça aos trabalhadores,um grande grupo de portuários resolveu dialogar sem rodeios escudando-se em quem de facto os pode e DEVE apoiar,e,de forma corajosa e competente avançou com uma nova representação de trabalhadores.

 Resultado,o Porto de Aveiro trabalha em pleno com os despedidos/readmitidos e muitos outros,de forma inequívoca,trocando esta malta o seu valoroso trabalho pelo salário pago a horas.Todos cumprem!

 Há já uns anos que me custava a perceber o que se lá passava e informado por quem tem a obrigação de saber,fiquei a entender mais até do que queria ou devia e entendi tudo.
 Gostava que nos Portos nacionais houvesse entendimento,houvesse diálogo por forma a não se trazer para a praça pública as nossos lutas ou problemas,porque os portugueses,a esmagadora maioria deles se marimba para os estivadores,apelidando-nos como todos sabemos,de tudo e mais alguma coisa.Temos cada vez mais o dever de ser discretos,de falar nos locais certos para tal e dessa forma poderemos resolver muito,mas muito mesmo,porque está visto que com este tipo de governação no País não podemos esperar nada,e temos por isso a obrigação de ser convincentes no nossos atos e resoluções,provando a essa gente que é possível pôr um Porto de Mar a laborar em pleno sem atropelos e a contento de todos os envolvidos.Rompidos os diálogos tudo se rompe.

 Continuamos a nossa caminhada sem barulhos,sofrendo muitas vezes em silencio com o passar dos anos,mas continuamos a ganhar 10-0 a toda a gente(governo incluído).

 Aproveito para desejar um Feliz Natal e Próspero Ano de 2014 para todos os camaradas portuários,ou na melhor das hipóteses para aqueles que se identificam com a VERDADE!

                                                       Saudações portuárias

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Após a tempestade...

Passou o primeiro trimestre de 2013 e noto uma aparente calma nos Portos potugueses.
Lembro que o último trimestre de 2012 foi profícuo em manifestações e greves em alguns Portos.
Acho estranha esta acalmia ou será que já "passou o rancor" áqueles que se diziam defensores de todo um povo portuário,a toda uma classe que se dizia ia "ser espezinhada"pelos interesses obscuros.
Diz a experiencia que quando há muita paz no setor não é bom sinal,mas como não faço parte de qualquer grupo dirigente e muitas das vezes funciono por intuição,afirmo que há por esses País fora malta que "meteu a viola no saco",digo eu.Então que se estará a passar de tão estranho que a rapaziada anda calada,não se vê,não se ouve nem lê noticias chamadas truculentas que envolvam os portuários.Há um Porto onde os sábios do costume estão a contas com revoluções,porque esses senhores se substituiram aos patrões.Estranho para quem se diz representantes de trabalhadores.Mas isto não pára,a roda não pára e quem teve juízo até aqui colherá os frutos.Ter juízo é não arvorar em dono da verdade,é respeitar opiniões diferentes,é saber dialogar em momentos difíceis,é dar e receber,é ir até onde se pode.
 Em Leixões cá continuamos trabalhando e posso afirmar que muito mau seria se alguem(especialmente da parte do governo)viesse ou tentasse estragar o trabalho e os consensos de muitos anos que fizeram de Leixões um Porto de sucesso.


                                                           Um abraço companheiros

                                                                    Augusto

domingo, 3 de março de 2013

2013

Mais um ano de trabalho no Porto de Leixões.Será conveniente dizer que 2012 foi um ano problemático a vários níveis,sendo que o setor não fugiu(infelizmente)á crise que assola o País.Felizmente conseguimos dar a volta por cima,adaptando-nos ás duras realidades nacionais,e conseguimos de certa forma contornar os problemas que mais nos afligiam ou poderiam afligir.Somos de facto uma classe com determinação e de forma alguma e sem desrespeitar ninguém temos muito orgulho em continuar a fazer de Leixões um Porto de sucesso.
 Gostaria que assim fosse em todos os Portos de Portugal,onde o diálogo constante devia imperar,sem sofismas,onde as partes envolvidas soubessem até onde ir,sem atropelos ou ameaças de despedimento.
 Cá continuaremos a nossa caminhada!

                                                           Um abraço companheiros

                                                                   Augusto

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Situação nos Portos(1)

Vivemos tempos dificeis no País,situações injustas,ingratas,que trouxeram o nosso povo para as ruas.
Passei uns dias com meu querido filho na cidade de Lisboa.Chegado a Matosinhos e quase no regresso ao trabalho,abro o North docker e vejo um comentário(longo)bem escrito,não sei por quem mas calculo,sobre as medidas,sobre o porquê do Acordo entre a FNSTP e a Secretaria de Estado.
 Convido os visitantes deste espaço a lerem os comentários no Post anterior,"O rapazola troiko/governo",e LEIAM ANALISEM E COMENTEM!Publicarei as opiniões dos meus camaradas portuários do País,venham de onde vierem porque sou um de muitos.Vamos a isso,à informação sobre o que se passa,sobre o que nos une e o que nos separa nestes tempos dificeis.Vejam então o Post debaixo!
                                                                 Grande abraço do

                                                                    Augusto

domingo, 5 de agosto de 2012

O rapazola troiko/governo.

Alguém se lembrou de "encomendar" a um chavalo que pelos vistos é advogado(dizem),a preparação de um DRAFT(palavrão que pode significar projeto de lei),no sentido de pura e simplesmente PROVOCAR os trabalhadores portuários de Portugal.
 Análise feita por mim,que sou apenas uma simples pessoa que lê bem(valha-me ao menos isso),não consigo no entanto perceber ao certo aquilo que o dito cujo pretende.
 Melhor dizendo,o rapaz quer fazer,a mando de interesses de há muito que por aí andam,limitar o nosso trabalho,limitar a operação portuária e todos os que nela participam.
 Quer ainda o rapazola,a mando dos tais,arranjar maneira do trabalho ser feito como numa fábrica em que os trabalhadores durante 8 horas fabricam em série e depois param ou contratam "pássaros andantes".
 Cuidado rapazola,que os navios quando chegam têm logo que ZARPAR,e a nossa missão,dos portuários é fazer que ele zarpe o mais depressa possível a qualquer hora do dia ou da noite.Ponto.
 Como disse,sou apenas um emissor de opiniões por muito simples que sejam, mas alguém vai ter que saber qual a origem do tal rapaz,onde tirou o tal curso,onde aprendeu o que é o setor portuário e quem são os seus gurus na coisa.Parece-me fácil descobrir a origem deste jotinha.
 Cheira-me que a rapaziada portuária vai lutar mesmo se os tais fizerem orelhas moucas,fazendo crer que estragar aquilo que custou a construír,é do pé para a mão.Não acredito.
 No meu Porto de Leixões as coisas funcionam há muitos anos de forma agradável para todos(mesmo podendo alguns discordar)mas não se esperava esta merda.Vamos a isto!

                                                         Saudações portuárias.

                                                                   ACMM
                                                                em Leixões Matosinhos Portugal